×

Notícias

VOLTAR PARA PÁGINA INICIAL

A edição de Maio/Junho de 2012 da RBORL em seu Editorial publicou os novos padrões de normalidade para a PROVA CALÓRICA A AR.

O trabalho realizado foi um estudo prospectivo multicêntrico, em que participaram as seguintes instituições: Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas e Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. O Estimulador E107AR da Contronic foi o único presente em todas as Universidades pesquisadas.
Veja abaixo a publicação na íntegra.

PADRÃO DE NORMALIDADE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA

São Paulo, 5 de maio de 2012.

Atendendo à consulta formulada pela Contronic Sistemas Automáticos Ltda, passamos os valores que sugerimos sejam adotados como referência na realização e interpretação das provas calóricas, quando o estímulo utilizado for a insuflação de ar no conduto auditivo.
O trabalho realizado foi um estudo prospectivo multicêntrico, em que participaram as seguintes instituições: Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciencias Médicas da Universidade Estadual de Campinas e Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.
A pesquisa foi aprovada pelos comitês de ética de cada instituição.
Foram realizados 211 exames em indivíduos normais, sendo 111 (53%) do gênero feminino, utilizando-se estimuladores a ar das marcas Contronic, Neurograf e Otometrics regulados para as temperaturas de 24°C para as provas frias e 50° C para o estímulo quente, com a vazão de 8 litros de ar por minuto, com a duração de 60 segundos.
A distribuição da faixa etária dos participantes encontra-se na tabela 1

Os resultados foram avaliados por meios estatísticos descritivos, valores mínimo e máximo, média, mediana e desvio-padrão, e também pela análise de variância (ANOVA) com comparações múltiplas de Tukey, utilizando-se limites de confiança de 95%. Os resultados estão apresentados na tabela 2 e 3.

                De acordo com os resultados encontrados e após discussão e aceitação dos resultados os membros do Departamento de Otoneurologia da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervicofacial, resolvem assumir como padrões de referência para as provas calóricas a ar os seguintes valores:

  • Temperatura do ar para prova quente 50°C
  • Temperatura do ar para prova fria 24°C
  • Tempo de insuflação 1 minuto
  • Predomínio Labiríntico: normal até 19%
  • Preponderância direcional: normal até 17%
  • Hiporreflexia unilateral: Soma dos valores nas estimulações fria e quente de uma orelha menor que 5°/s
  • Hiporreflexia bilateral : soma dos valores nas 4 estimulações menor que 12°/s
  • Hiperreflexia unilateral : soma dos valores das provas fria e quente do ouvido direito ou esquerdo maior que 62°/s
  • Hiperreflexia bilateral : soma dos valores nas 4 provas >122º/s

 Membros participantes do Departamento de Otonurologia da ABORLCCF:


Denise Utsch Gonçalves  
Fernando Freitas Ganança  
Marco Aurélio Bottino  
Mário Edvin Greters  
Mauricio Malavasi Ganança  
Raquel Mezzalira  
Roseli Saraiva Moreira Bittar  
Sérgio Albertino 

Os resultados aqui apresentados deverão constar do editorial do próximo número do Brazilian Journal of Otorhinolaryngology.
Sendo o que se apresenta para o momento
Dr. Mário Edvin Greters
Coordenador do Departamento de Otoneurologia
ABORL-CCF